Xplastic Altporn
29 de outubro de 2017

Cinema independente com sexo explícito

Cinema independente, basicamente, é a classificação que se dá para filmes que NÃO foram produzidos por grandes conglomerados de mídia ou grupos de comunicação.

CINEMA independente

Muitas vezes são filmes feitos com orçamento baixo, equipes pequenas.

Geralmente o cinema independente é a porta de entrada para novos diretores e para diretores que querem fugir dos grandes esquemas.

Nosso cinema independente com sexo explícito

Vamos elencar aqui, do mais recente para o mais antigo, nossos novos filmes.

5 para 1 – Novembro de 2017

Maria, a personificação da Maconha, muda a vida das pessoas que estão ao seu redor. Veja o making of a seguir, e assista o filme completo aqui.

Este filme é o primeiro trabalho da DeadHot e da Mia Amaral. Duas grandes promessas para a pornografia brasileira.

fumando maconha para transar

Direção: Chux

NOX – Outubro de 2017

Uma garota curiosa é atraída por energias noturnas que acreditam que sexo pode servir como um acumulador de energia.

Ela é seduzida para rituais com sexo entre humanos e deuses e terá seu corpo usado como veículo de energia para futuras conquistas terrenas. Assista ao filme completo aqui.

A diretora contou pra gente um pouco mais sobre a história do filmes Nox.

Direção: May Medeiros

NOX - Episódio 2

Historias Sujas – Depois da Prisão – Setembro de 2017

Ao sair da cadeia Celina vai parar na casa de Vânia, sua namorada. Na casa da amante elas tem uma grande sessão de sexo matutino, mas uma dívida antiga da Vânia bate em sua porta, ou melhor arromba. Filme completo mas sem sexo explícito a seguir.

Violência extrema e humor negro marcam o percurso dos anti heróis na busca de uma solução para o drama existencial destas vidas consumidas pelo vício e pela banalização da violência. Assista o filme completo e com sexo explícito aqui . Se quiser ver o making of desta produção este é o link.

Direção: Roy.

Histórias Sujas: Depois da Prisão - Parte I

Buceta dos infernos – Agosto de 2017

Tony e Dom estão perdidos pelas ruas de Sampa depois de uma noite daquelas, quando sentem um chamado. Eles acabam encontrando um bar que aparenta estar solitário e abandonado.

Ambos decidem entrar pra tomar umas doses mas tudo pode melhorar quando eles sentem um cheirinho de buceta. Buceta dos infernos! Assista o filme completo aqui.

Direção: Marco Cidade.

cinema independente com sexo explícito

Filme Buceta dos Infernos – Xplastic

Guia da Suruba das Galáxias – Julho de 2017

Especialmente para o dia da toalha apresentamos nossa versão suecada pornô do Guia do Mochileiro das Galáxias!

Acompanhe nossa princesa Isabella Martins se envolvendo em confusões eróticas intergaláticas contra os Aburus e suas picas duras sedentas por sexo!

Aqui tem referências geek, suruba, dupla penetração, uma atriz gostosa e muito sexo hardcore e inter racial! Assista o filme completo aqui.

Direção: Roy.

Guia da Suruba das Galáxias

Elvis e Mabel – Junho de 2017

No banheiro da balada e relembrando o babaca do ex-namorado Mabel decide por cair no papo do falastrão Elvis e se entregar ao prazer! Assista o filme completo aqui.

Direção: Roy.

elvis e mabel - blog 3

Cinema independente e sexo explícito

E agora você deve estar se pergunta o motivo de estamos falando sobre cinema independente num site de sexo explícito.

Senta que lá vem história…

A pornografia iniciou sua trajetória de crescimento no Brasil ao mesmo tempo em que a pornochanchada começou a perder força como movimento popular do cinema brasileiro.

cinema independente pornochanchada

Pornochanchada era cinema de verdade, com roteiro, produção, filmado em película e com equipe técnica experiente na atividade de fazer filmes.

As atrizes e atores eram os mesmos das novelas e dos filmes convencionais, aqueles que não se encaixavam no gênero (?) pornochanchada.

Com todas estas características, o que víamos quando assistíamos filmes do cinema popular dos anos 70 eram cinema com nudez, muitos pêlos e histórias onde o sexo era um dos motes principais.

Com a chegada do filme “O império dos sentidos” em 1976, citado muitas vezes como o primeiro filme com sexo explicito tudo começou a mudar.

A curiosidade para ver sexo explícito em pleno regime militar, mais a relativa facilidade de produzir (inicialmente usando sobras de filmes de outras produções e depois usando os benefícios das câmeras VHS) inundou os cinemas com um novo tipo de filme.

A era do cinema explícito

Em 1981 o Cine Windsor apresentava grandes filas no lançamento do filme “Coisas eróticas” e nos dias subsequentes as filas só aumentavam.

Windsor-cinema

[No final do post vou embutir o filme “Coisas eróticas” completo, pode continuar lendo este texto com calma.]

O filme “Coisas eróticas”, de certa forma, resume a história de muitos personagens na indústria cultural do Brasil: um empresário cineasta, Raffaele Rossi, produziu um filme nos modelos da pornochanchada (cinema independente), com três episódios sobre sexo (explícito), ganhou muito dinheiro e gastou tudo o que ganhou da pior forma possível. Fim.

cinema independente

A crítica da época foi feroz:

“(…) um subproduto da Boca [do Lixo] que não teria a menor chance de chamar a atenção se não fosse pelas longas cenas de sexo explícito (…) parece um triste experimento feito por pessoas pouco talentosas, que por alguma ironia do destino estourou nos cinemas brasileiros.”

Criticou Sérgio Alpendre.

No final do post embutimos também o excelente documentário “A primeira vez do cinema nacional”onde você vai entender melhor tudo sobre o “Coisas eróticas”.

 O gafanhoto do sexo explícito

Depois do sucesso de coisas eróticas nenhum cinema quis se arriscar a exibir qualquer coisa que não tivesse sexo explícito. Se fizesse isso o cinema ao lado teria filas de pessoas querendo pagar para assistir, e o cinema exibindo filmes sem sexo explícito ficaria vazio.

As pornochanchadas passaram a ser mutiladas e passaram a receber enxertos de sexo explícito para garantir a audiência. Era o início do fim…

cinema-morto

Dai pra frente os cinemas de rua entraram em decadência, a pornochanchada seguiu o mesmo caminho, os video cassetes levaram a pornografia para dentro das casas, a demanda aumentou exponencialmente e para dar conta de um planeta inteiro sedento por sexo explícito a produção precisou ser simplificada ao extremo.

As câmeras de VHS eram a força que a revoada de gafanhotos precisava para jogar a última pá de cal sobre os cinema com sexo explícito.

gonzo

A produção de um filme pornô se afastava cada vez mais do modus operandi do cinema, e parecia cada vez mais com uma festa de aniversário mal filmada.

Oasis na decadência

A decadência tem suas surpresas, e, graças a ascensão do VHS, talentos que não se revelariam caso os filmes pornô tivessem seguido os passos do cinemão (oposto ao cinema independente), e não se tornado mais amadores, surgiram nas décadas de 80 e 90.

Buttman é o maior exemplo.

the_adventures_of_buttman

Sem o filme “As Aventuras de Butman“, provavelmente a xplastic não existiria.

Por que Cinema ?

Em 2017 fizemos algumas alterações no sites xplastic, e decidimos reinventar nossa própria pornografia.

Percebemos que a linguagem dos nossos filmes mais antigos, chamava muito mais atenção, e as pessoas gostavam mais, do que a de alguns filmes mais recentes.

Então decidimos ser um pouco mais pretensiosos e/ou ambiciosos, e nos arriscarmos tentando usar uma linguagem de cinema independente em nossos filmes.

O caminho é longo, e vamos usar este post para registrar como estamos indo, e apresentar nosso cinema independente com sexo explícito.

Outras experiências

Não somos pioneiros em tentar trazer linguagem de cinema para o sexo explícito.

A Erika Lust também diz que sua ambição é fazer filmes independentes que tenham sexo explícito. Outras produções, como Indietro do Kink.com, também flertam com a linguagem cinematográfica.

E as paródias pornô gringas chegam a ser até mais legais que os filmes que deram origem a elas. Se liga nesta.

Gostamos de pensar que a pornografia é só um gênero dentro da indústria audiovisual. Assim como existe o terror, a comédia e o drama, existe a pornografia.

E para fazer pornografia não precisamos esquecer da linguagem do cinema.

Nossas experiências

Adotamos como marco inicial para esta nova fase o nosso filme “Elvis e Mabel”, seguido pelo “Guia da Suruba das Galáxias”, uma tentativa de fazer um vídeo suecado parodiando os filmes de guerras espaciais.

Dai pra frente queremos lançar a cada mês um novo filme que, além de ser um filme, tenha também sexo explícito.

Faremos muitas experiências, algumas serão mais bem sucedidas do que outras, mas faremos de tudo para manter este modelo.

Referências